Vantagens de cooperar e colaborar

Por Mário Galvão¹

Quando se trabalha ou aprende em situações complexas e dinâmicas, colaborando e cooperando, o conhecimento em grupos e equipes é, frequentemente, mais eficaz que no funcionamento como Indivíduos isolados. Criam-se sinergias positivas e, assim, muitas tarefas podem ser feitas de maneira mais rápida e mais agradável trabalhando deste modo.

Por acaso... "é melhor estar acompanhado que estar só"? Sim, porém melhor quando se está em um bom entorno [Ambiente]" e melhor se este último cresce quando o [Virtual] é favorável." As vantagens-chave do compartilhamento, em suas formas que aqui foram detalhadas (colaboração e cooperação) são:

  • Alcança-se maior êxito nos objetivos (seja de trabalho ou de estudo) por compartilhar tarefas e reunir o conhecimento.
  • Consegue-se mais “diversão": menos tensão e mais prazer quando se trabalha com eficácia com outras pessoas.

Os condomínios com menor índice de inadimplência, poucos conflitos entre os moradores, nos quais as pessoas interagem respeitosamente estão geralmente imersos nesses conceitos. Comunidades colaborativas em que os indivíduos cooperam entre si são mais prósperas e saudáveis.

A Figura abaixo pretende resumir algumas tarefas próprias da cooperação, da colaboração e comuns a ambas.





Ponsi Consultoria em Obras Inteligentes
¹Mário Galvão

Engenheiro Civil, mestre em Desenho, Gestão e Direção de Projetos pela Fundação Ibero Americana – FUNIBER. MBA em Construções Sustentáveis pela Universidade Cidade de São Paulo – UNICID, Gerenciamento de Projetos pela University of Califórnia, Irvine – EUA, em Gerenciamento de Projeto pela Fundação Getúlio Vargas – FGV; Engenharia Diagnóstica pelo Instituto Brasileiro de Educação Continuada – INBEC. Ex Diretor Técnico da VECTOR FOILTEC, multinacional alemã, e auditor da Qualidade em Sistema de Gestão Ambiental – SGA e Sistema de Gestão de Qualidade – SGQ. Membro da GBC Brasil (Green Building Council), do Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia do Distrito Federal – IBAPE/DF e da Comissão de Estudo Perícias de Engenharia na Construção Civil da ABNT NBR 13752 (ABNT/CE-002:134.003). Inspetor termográfico nível I, Inspetor de estruturas de concreto armado e pontes nível I. Assistente Técnico em ações judiciais envolvendo perícias de engenharia nos Fóruns do DF.