Reajuste de tarifas da CAESB é autorizado pela Adasa


Conta de água vai subir 2,99% no DF a partir de junho. Aumento foi publicado no Diário Oficial desta segunda-feira


A partir do dia 1º de junho as tarifas dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário serão reajustadas em 2,99%. O aumento foi publicado no Diário Oficial desta segunda-feira (30). Ele passa a valer em 1º de junho deste ano.

Alegando prejuízo por causa do menor consumo de água devido ao racionamento, a empresa pleiteava um aumento de 9,69% na tarifa. Já a Adasa dizia inicialmente que 2,06% eram suficientes para manter o equilíbrio econômico-financeiro da estatal

A proposta inicial era de reajuste anual de 0,51%, mas foi corrigido para 0,93% diante da comprovação de gastos considerados como componentes financeiros, tais como publicações oficiais e orçamento para o Conselho dos Consumidores da Caesb, criado há um ano.

Para a tarifa extraordinária foi mantida a proposta de 2,06%, bem abaixo dos 9,69% solicitados pela Caesb para corrigir possível desequilíbrio econômico-financeiro, decorrente da situação crítica de escassez hídrica no DF e consequente redução de mercado.

Para a revisão extraordinária foram considerados o risco do negócio, a possibilidade de gestão de perdas da concessionária e novas captações, a correta medida do equilíbrio econômico-financeiro e a modicidade tarifária.

Tarifa da revisão extraordinária terá validade de um ano

O percentual concedido a título de revisão extraordinária não será incorporado definitivamente na tarifa. O valor correspondente ao percentual de 2,06%, em reais, será compensado nas tarifas de abastecimento de água e esgotamento sanitário, no reajuste anual da tarifa de 2019.

A Caesb não quis comentar o reajuste ter saído menor do que o proposto. “Não cabe à Caesb fazer esse tipo de avaliação. O reajuste anual é previsto em contrato e a Caesb executa a tarifa autorizada pela Adasa.”

» Saiba mais: https://www.agenciabrasilia.df.gov.br/2018/04/30/adasa-homologa-reajuste-de-tarifas-de-agua-e-de-esgoto-a-partir-de-1o-de-junho/

Fonte: Agenda Capital